RASTILHO DE PÓLVORA ESTÁ ACESO

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

FHC SOBRE DIL MALA

Dilma entende pouco de economia. Perdeu credibilidade.

http://www.observadorpolitico.com.br/wp-content/uploads/avatars/12/1d9ba3d99bef01d9c004554df990c514-bpthumb.jpgAgora vejo o motivo pelo qual a presidente Dilma Roussef não conseguiu obter grau de pós-graduação na Unicamp: ela entende pouco de economia. E mesmo de números. Disse no debate de ontem (26/8), na Band, que o Brasil “quebrou três vezes” no governo do PSDB. De onde tirou tal falsidade?
O Brasil estava em moratória desde o final do governo Sarney (será que é a isso que ela se refere quando diz “quebrado”). Desde quando assumi o ministério da Fazenda, no governo Itamar, começamos a refazer a credibilidade do país. Em outubro de 1993 assinamos uma renegociação da dívida externa e voltamos aos mercados internacionais. Fizemos em 1994 o Plano Real, sem apoio do FMI, e erguemos a economia. Começava o período de construção da estabilidade, que durou todo meu primeiro mandato, passando por crises bancárias, Proer, renegociação das dívidas dos estados e municípios etc.
No início do segundo mandato, depois das consequências da crise da Ásia (1997), da crise argentina e toda sorte de dificuldades externas e internas –graças a atos políticos irresponsáveis da oposição e à incompletude do ajuste fiscal – sofremos forte desvalorização cambial em janeiro de 1999, apesar de havermos assinado em 1998 um acordo de empréstimo com o FMI (será que é isso que a Presidente chama de “quebrar o país?). A inflação não voltou, apesar das apostas em contrário, e antes do fim do primeiro semestre de 1999 já havíamos recuperado condições de crescimento, tanto assim que em 2000 o PIB cresceu 4,7%.
Nova dificuldade financeira, a despeito das restrições na geração de energia, só ressurgiu no segundo semestre de 2002. Por que? Devido ao “efeito Lula”: os mercados financeiros mundiais e locais temiam que a pregação do PT fosse para valer. Sentimos o efeito inflacionário (os 12% a que a Presidente sempre se refere, que devem ser postos à conta do PT). Aí sim, recorremos ao FMI, mas com anuência expressa de Lula e para permitir que seu governo reagisse em 2003, como fez. Do empréstimo, 20% seriam para usar no resto de meu mandato e 80% no de Lula… Não houve interrupção do fluxo financeiro internacional, nem quebradeira alguma.
É mentira, portanto, que o governo do PSDB tenha quebrado o Brasil três vezes. Por essas e outras, o governo Dilma Roussef perdeu credibilidade: em vez de informar, faz propaganda falsa.
______
Encaminhado pelo coerente e anti-rubro Míster JUMM

-QUE CULTURA!!! - HERRAR É UMANO


quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Polícia prende trio acusado de assaltar avião

Quinta-Feira, 28/08/2014, 17:44:24 - Atualizado em 28/08/2014, 18:00:52

Foram presos três acusados de participarem de um assalto a um avião que transportava dinheiro, no município de São Félix do Xingu, sudeste paraense. O assalto aconteceu no primeiro semestre deste ano.
Osassaltantes foram detidos pela Polícia Civil nesta quinta-feira (28), no próprio município, e serão apresentados na sexta-feira (29), na Divisão de Repressão ao Crime Organizado (DRCO), em Belém. 
A polícia continua fazendo buscas pelos outros integrantes da quadrilha.
(DOL)

PF combate os maiores desmatadores da Floresta Amazônica; seis estão foragidos

A Polícia Federal do Pará faz buscas para localizar seis pessoas que teriam envolvimento com crimes ambientais na região sudeste do estado. Entre os suspeitos está o empresário Ezequiel Antônio Castanha, proprietário de um comércio em Novo Progresso. De acordo com o Ibama, ele tem multas que somam R$ 30 milhões e seria um dos articuladores do esquema criminoso que invadia e desmatava terras públicas em áreas de preservação. Castanha e os demais suspeitos tiveram mandado de prisão expedidos pela Justiça Federal de Itaituba, e são considerados foragidos.


Oito pessoas foram presas, sendo seis no Pará, uma em Mato Grosso e uma em São Paulo. lém das prisões, foram cumpridos 22 mandados de busca e apreensão e quatro conduções coercitivas.

Os seis suspeitos presos no Pará foram levados para Belém, onde aguardam o término das investigações. De acordo com a Polícia Federal, uma mulher está custodiada no Centro de Recuperação Feminino, quatro suspeitos foram levados para o Centro de Recuperação do Coqueiro e o último dos detentos está preso no corpo de bombeiros - ele foi beneficiado com prisão especial por ser advogado. Os suspeitos presos no Mato Grosso e em São Paulo estão custodiados nos respectivos estados. 

A Operação Castanheira, deflagrada nesta quarta-feira (27), tem objetivo de desarticular organização criminosa especializada em grilagem de terras e crimes ambientais na cidade de Novo Progresso. Os envolvidos nas ações criminosas são considerados os maiores desmatadores da Floresta Amazônica brasileira. O dano ambiental causado por eles, estimado em perícias, ultrapassa R$ 500 milhões.

Participam da ação 96 policiais federais e 19 servidores do Ibama. Estão sendo cumpridos 40 mandados judiciais: 22 mandados de busca e apreensão; 11 mandados de prisão preventiva; 3 mandados de prisão temporária; e 4 mandados de condução coercitiva. Além de Novo Progresso/PA, diligências estão sendo realizadas também em cidades de São Paulo, Paraná e Mato Grosso. A operação é resultado de uma investigação conjunta da Polícia Federal, do IBAMA, da Receita Federal e do Ministério Público Federal.

Investigações apontaram que a quadrilha agia invadindo terras públicas (dentre elas, a Floresta Nacional do Jamanxim) e realizava desmatamentos e queimadas para formação de pastos. Posteriormente a área degradada era loteada e revendida a produtores e agropecuaristas.

Os envolvidos, na medida de suas participações, serão indiciados pelos crimes de invasão de terras públicas, de furto, de crimes ambientais, de falsificação de documentos, de formação de quadrilha, de sonegação fiscal e de lavagem de dinheiro. Somadas, as penas podem ultrapassar os 50 anos de reclusão aos condenados.

Com informações da Polícia Federal e G1/PA

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Quadrilha é presa pela PF em Novo Progresso

Quarta-Feira, 27/08/2014, 18:57:06 - Atualizado em 27/08/2014, 19:26:19


Seis homens foram presos por policiais federais suspeitos de participarem de uma quadrilha que praticava crimes ambientais em Novo Progresso, sudoeste paraense. Eles foram apresentados no final da tarde desta quarta-feira (27), na sede da Polícia Federal, em Belém.
Tamanho da fonte: A- A+
Segundo as investigações da PF, os suspeitos invadiam terras públicas, que depois eram revestidas grilagem de terra. Com documentos falsos, eles vendiam as terras para empresários sul e do sudeste do país. Fizemos a quebra do sigilo bancário que revelou altas quantias, terras que eram vendidos a R$ 10 milhões.
Segundo a PF, foram expedidos mais de 40 mandados judiciais. Entre os presos estão empresários e advogados.
Os presos deverão ser indiciados pelos crimes de invasão de terras públicas, furto, sonegação fiscal, falsificação de documentos, entre outros. Se condenados, as penas podem ultrapassar 50 anos de reclusão.
(DOL com informações de Pollyana Gomes/RBA TV)

terça-feira, 26 de agosto de 2014

IMPÉRIO DA ARROGÂNCIA AMEAÇA RUIR

Ibope: Marina encosta em Dilma e venceria 2º turno

Pesquisa aponta um novo cenário eleitoral no país com a entrada da ex-senadora na disputa: segundo turno é uma realidade e a presidente-candidata já não é mais a favorita

Dilma Rousseff (PT), Aécio Neves (PSDB), Marina Silva (PSB)
Dilma Rousseff (PT), Aécio Neves (PSDB), Marina Silva (PSB): novo cenário eleitoral (Divulgação/Valter Campanato/ABr/VEJA)
Pesquisa Ibope divulgada na tarde desta terça-feira aponta o crescimento da candidatura de Marina Silva, do PSB, que aparece com 29% das intenções de voto, cinco pontos porcentuais a menos do que a presidente-candidata Dilma Rousseff, que lidera a disputa com 34%. O tucano Aécio Neves marca 19%.

Segundo o levantamento, contratado pela Rede Globo e pelo jornal O Estado de S. Paulo, Pastor Everaldo, do PSC, e Luciana Genro, do PSOL, têm 1% das intenções de voto cada. Os demais concorrentes somam 1%. A sondagem aponta que o 7% do eleitorado pretende votar em branco ou nulo, e 8% estão indecisos. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.
Foi a primeira pesquisa feita pelo instituto com a presença de Marina, substituta de Eduardo Campos, morto em acidente aéreo no último dia 13. A entrada da ex-senadora mostra um cenário eleitoral completamente diferente: o número de indecisos e dos que declaravam votar em branco ou nulo caiu. Além disso, os números indicam que o segundo turno é uma realidade: os adversários de Dilma somam 51%, ante 34% dela.

A simulação de segundo turno entre Marina e Dilma também confirmam um cenário temido pelo PT desde a consolidação da candidatura da ex-senadora. Segundo a pesquisa, Dilma seria derrotada por Marina por 45% a 36%. Contra Aécio, Dilma ganharia por 41% a 35%.

A rejeição à presidente-candidata continua sendo a mais alta entre os três primeiros colocados – 36%. Aécio marca metade desse patamar – 18% –, e Marina tem 10%.
Foram feitas 2.506 entrevistas em 175 municípios, de 23 a 25 de agosto. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-00428/2014.
Veja
Titulo RP

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

CONSTATAÇÃO DE BEZERRA DA SILVA


Se gritar pega ladrão, não fica um meu irmão
Se gritar pega ladrão, não fica um
Se gritar pega ladrão, não fica um meu irmão
Se gritar pega ladrão, não fica um

Você me chamou para esse pagode,
e me avisou: "Aqui não tem pobre!"
Até me pediu pra pisar de mansinho, porque sou da cor,
eu sou escurinho...
Aqui realmente está toda a nata: doutores, senhores,
até magnata
Com a bebedeira e a discussão, tirei a minha
conclusão:

Se gritar pega ladrão, não fica um meu irmão
Se gritar pega ladrão, não fica um
Se gritar pega ladrão, não fica um meu irmão
Se gritar pega ladrão, não fica um

Lugar meu amigo é a minha Baixada, 
que ando tranqüilo e ninguém me diz nada
E lá camburão não vai com a justiça, pois não há
ladrão e é boa a polícia
Lá até parece a Suécia, bacana, se leva o bagulho e se
deixa a grana,
Não é como esse ambiente pesado, que você me trouxe
para ser roubado....

Se gritar pega ladrão, não fica um meu irmão
Se gritar pega ladrão, não fica um
Se gritar pega ladrão, não fica um meu irmão
Se gritar pega ladrão, não fica um

domingo, 24 de agosto de 2014

Suicídio do Getúlio Vargas completa 60 anos

Domingo, 24/08/2014, 15:03:53 - Atualizado em 24/08/2014, 15:23:06



Suicídio do Getúlio Vargas completa 60 anos (Foto: Arquivo Nacional)Getúlio Vargas conversa com seu ministro da Guerra durante o Estado Novo, general Eurico Gaspar Dutra (Foto: Arquivo Nacional)
"Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na História”. A frase, uma das mais célebres passagens da história política brasileira, encerra a carta-testamento deixada por Getúlio Vargas. Há 60 anos, no dia 24 de agosto de 1954, o então presidente tirou a própria vida em meio à pior crise enfrentada em seus anos de atuação política.

Uma reunião com os ministros no Palácio do Catete varou a madrugada e decidiu que Getúlio se afastaria do governo por três meses para dar lugar ao vice, Café Filho. Após o fim da discussão, já com o dia claro, o político se recolheu ao seu aposento. Por volta das 8h35, o barulho de um tiro ecoou pelo palácio. Seu filho Lutero correu para o quarto, seguido pela esposa de Vargas, Darcy, e a filha Alzira.

"Getúlio estava deitado, com meio corpo para fora da cama. No pijama listrado, em um buraco chamuscado de pólvora um pouco abaixo e à direita do monograma GV, bem à altura do coração, borbulhava uma mancha vermelha de sangue. O revólver Colt calibre 32, com cabo de madrepérola, estava caído próximo à sua mão direita".  É assim que o biógrafo Lira Neto descreve o cenário da morte de Vargas no terceiro volume da série Getúlio.

A carta-testamento de Getúlio Vargas, que seria lida durante aquele dia pelas rádios em todo o território nacional, foi encontrada em um envelope, encostada ao abajur da mesinha da cabeceira da cama do então presidente. Nos apontamentos do biógrafo, o texto, originalmente esboçado por Getúlio, teve sua versão final passada na máquina de escrever pelas mãos de um amigo, José Soares Maciel Filho, já que o ex-presidente não sabia datilografar. O rascunho da carta havia sido encontrado no dia 13 de agosto pelo major-aviador Hernani Fittipaldi, um dos ajudantes de ordem de Getúlio, enquanto arrumava a mesa do presidente.

Assustado com o conteúdo do manuscrito, ele entregou o papel à Alzira, que questionou o pai. “Não é o que estás pensando, minha filha. Não te preocupes, foi um desabafo”, se esquivou Vargas. Essa porém não foi a primeira vez que Getúlio fez menção ao suicídio. Em suas anotações pessoais, ele já havia cogitado tirar a vida em outros momentos de sua jornada política.

A primeira delas foi quando chegou ao poder em 1930. Naquela data, enquanto se encaminhava para a sede do governo, se disse disposto a não retornar com vida ao Rio Grande do Sul caso não obtivesse sucesso na empreitada. Era a primeira anotação pessoal que fazia no diário que carregou para o resto da vida. Lira Neto considera que a diferença em 1954 é que Getúlio se viu encurralado e não conseguiu contornar a crise, como das outras vezes.

Depois de chegar ao poder na liderança do movimento que ficou conhecido como Revolução de 1930, o político gaúcho Getúlio Dornelles Vargas exerceu o governo no país de forma ininterrupta até 1945. De 1930 a 1934 ele foi chefe do governo provisório. Em 1934 foi eleito presidente da República pela Assembleia Nacional Constituinte e exerceu o Governo Constitucional até 1937, quando, por meio de um golpe, instaurou a ditadura do Estado Novo, que durou até 1945. Retirado do comando do país por um golpe militar, se recolheu à cidade natal, São Borja (RS), de onde articulou a volta ao poder pela via democrática nas eleições presidenciais de 1950, cujo mandato não conseguiu completar.
(ABr)

sábado, 23 de agosto de 2014

Marinha tem vagas para nível superior

Sábado, 23/08/2014, 12:49:34 - Atualizado em 23/08/2014, 12:49:34


Segue aberto até o dia 04 de setembro de 2014 o período de inscrição do Concurso Público para Ingresso nos Quadros Complementares de Oficiais da Marinha (CPQC-CA/FN) em 2014, destinado ao preenchimento de vagas nas profissões abaixo discriminadas, inclusive com vagas reservadas para candidatos negros, na forma da lei.
ELETRÔNICA: Ciências Náuticas (Área de Náutica): seis vagas; ELETRÔNICA: Engenharia de Computação, Engenharia de Controle e Automação, Engenharia de Telecomunicações, Engenharia Elétrica e Engenharia Eletrônica: 22 vagas; MÁQUINAS: Ciências Náuticas (Área de Máquinas): seis vagas; MÁQUINAS): Engenharia Aeronáutica, Engenharia Ambiental e Sanitária, Engenharia Civil, Engenharia de Bioprocessos, Engenharia Cartográfica e de Agrimensura, Engenharia de Controle e Automação, Engenharia de Fortificação e Construção, Engenharia de Materiais, Engenharia de Minas, Engenharia de Petróleo, Engenharia de Produção, Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Engenharia Mecânica de Veículos Militares, Engenharia Metalúrgica, Engenharia Naval, Engenharia Nuclear, Engenharia Química: 24 vagas; SISTEMAS DE ARMAS: Ciências Náuticas (Área deNáutica): cinco vagas; SISTEMAS DE ARMAS: Engenharia de Computação, Engenharia de Controle e Automação, Engenharia Elétrica, Engenharia Eletrônica, Engenharia Mecânica de Armamentos, Engenharia de Telecomunicações: 19 vagas.
QUADRO COMPLEMENTAR DE OFICIAIS FUZILEIROS NAVAIS: ELETRÔNICA: Engenharia de Computação, Engenharia de Controle e Automação, Engenharia Elétrica, Engenharia Eletrônica, Engenharia de Telecomunicações: sete vagas; MÁQUINAS: Engenharia Aeronáutica, Engenharia Ambiental e Sanitária, Engenharia Civil, Engenharia de Bioprocessos Engenharia Cartográfica e de Agrimensura, Engenharia de Controle e Automação, Engenharia de Fortificação e Construção, Engenharia de Materiais, Engenharia de Minas, Engenharia de Petróleo, Engenharia de Produção, Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Engenharia Mecânica de Veículos Militares, Engenharia Metalúrgica, Engenharia Naval, Engenharia Nuclear, Engenharia Química: 14 vagas.
SISTEMAS DE ARMAS: Engenharia de Computação, Engenharia de Controle e Automação, Engenharia Elétrica, Engenharia Eletrônica, Engenharia Mecânica de Armamentos, Engenharia de Telecomunicações: duas vagas.
O edital completo, com seus anexos, estará à disposição dos candidatos na Internet, no site da Diretoria de Ensino da Marinha, ou nos locais de inscrição. Em Belém / PA, no Serviço de Recrutamento Distrital do Comando do 4º Distrito Naval: Praça Carneiro da Rocha, s/nº - Cidade Velha - CEP 66020-150 - Tel.: (91) 3216-4022.
(Diário do Pará)

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

MENTIRA PORRETA!

Como diria o Juiz Claudio Henrique Rendeiro:
MENTIR É FEIO, É CRIME, DÁ CADEIA E LEVA PRO INFERNO...! 

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

POLÍCIA BANDIDA!

Operação prende 20 policiais militares do Pará

Quinta-Feira, 21/08/2014, 13:45:34 - Atualizado em 21/08/2014, 14:49:35 24 comentários

Operação prende 20 policias militares do Pará (Foto: Ney Marcondes/Diário do Pará)














A Corregedoria Geral da Polícia Militar prendeu na manhã desta quinta-feira (21) 20 policiais militares acusados de envolvimento em diversos delitos. A Operação, denominada Katrina, foi o resultado de um inquérito iniciado em 20 de fevereiro deste ano, e investigou irregularidades no 2° Batalhão da PM.
Entre os presos, três mulheres e 17 homens, estão um aspirante a oficial da PM, um sargento, 12 cabos e seis soldados. Eles são acusados de crimes como concussão, corrupção ativa e passiva, violação do dever funcional com o fim de auferir lucro, condescendência criminosa, inobservância da lei, regulamento ou instrução e extorsão mediante sequestro.
A operação resultou de seis meses de investigação, na qual foram juntadas provas diversas, incluindo documentos e imagens de câmeras do Centro Integrado de Operações (Ciop) e outras que ajudaram na comprovação do envolvimento dos militares com ações ilícitas.
Além das prisões, foram cumpridos mandados de busca e apreensão de veículos, os quais foram utilizados na prática dos crimes.
(DOL com informações da Agência Pará)
Titulo RP

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Perícia afirma que acidente não teve causa única

Quarta-Feira, 20/08/2014, 15:56:31 - Atualizado em 20/08/2014, 15:56:31


Em nota enviada à imprensa nesta quarta-feira (20), a Aeronáutica afirmou que não trabalha com "causas", mas com "fatores contribuintes" do acidente aéreo que matou o presidenciável Eduardo Campos (PSB) e outras seis pessoas em Santos (SP) na última quarta-feira (13).
Responsável pelas investigações, a Aeronáutica informou que a "causa se refere a um fator que se sobressai, que seja preponderante, e a investigação não elege um fator como o principal". "Desta forma, qualquer análise de fatores isolados pode ocasionar conclusões precipitadas ou equivocadas", afirma o texto.
No texto, a Aeronáutica também informou que já foram iniciadas as "entrevistas" de familiares e testemunhas do acidente, bem como a análise inicial dos motores recuperados no local da queda da aeronave.
A Força Aérea afirma ainda que não há prazo determinado para o fim das investigações. "O Relatório Final busca reproduzir a dinâmica da ocorrência aeronáutica e emite as recomendações de segurança de voo para evitar que acidentes semelhantes se repitam", afirma a nota.
ACIDENTE
O candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Henrique Accioly Campos, 49, morreu na quarta (13) em acidente aéreo em Santos, litoral paulista, onde cumpriria agenda de campanha. O jato Cessna 560 XL, prefixo PR-AFA, partira do Rio e caiu em área residencial.
Dois pilotos e quatro assessores também morreram, e sete pessoas em solo ficaram feridas. Os restos mortais removidos do local do acidente chegaram na noite de quarta na unidade do IML (Instituto Médico Legal) na rua Teodoro Sampaio, no bairro Pinheiros, em São Paulo. A Aeronáutica investiga a queda.
Governador de Pernambuco por dois mandatos, ministro na gestão Lula, presidente do PSB e ex-deputado federal, Campos estava em terceiro lugar na corrida ao Planalto, com 8% no Datafolha. Conciliador, era considerado um expoente da nova geração da política.
(Folhapress)

terça-feira, 19 de agosto de 2014

-QUE CULTURA!!! - HERRAR É UMANO!

QUEM QUER PIDA, PORQUE PEÇA E DE CARRO...

Leilão de hidrelétricas deve ocorrer este ano

Leilão de hidrelétricas deve ocorrer este ano (Foto: Divulgação)


Segunda-Feira, 18/08/2014, 21:47:11 - Atualizado em 18/08/2014, 22:23:11

(Foto: Divulgação)
O presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Maurício Tolmasquim, disse esperar ainda para este ano a realização do leilão destinado à escolha das empresas que vão construir duas hidrelétricas no Rio Tapajós, no Pará.
Os empreendimentos vão gerar 8,5 mil MW, capacidade suficiente para gerar energia para abastecer 20 milhões de residências. O investimento previsto é de R$ 18 bilhões. "Ainda há uma análise para ser feita. O tempo é curto, mas estou otimista", disse, após cerimônia de comemoração dos 10 anos da EPE, no Rio de Janeiro.
Segundo Tolmasquim, a EPE está mobilizada, neste momento, no envio de documentos para o TCU (Tribunal de Contas da União), que tem a incumbência de analisar previa os contratos que vão a leilão.
(Folhapress)
De volta às teclas, depois de uma breve passagem pelo estaleiro... Obrigado a todos pela força!

Vinte e cinco anos sem o Maluco Beleza

Vinte e cinco anos sem o Maluco Beleza (Foto: Divulgação)


Terça-Feira, 19/08/2014, 02:55:23 - Atualizado em 19/08/2014, 02:55:23

Raul Seixas continua insubstituível e ganha tributo reunindo seus maiores sucessos (Foto: Divulgação)
Metamorfose ambulante. Maluco beleza. Vampiro doidão. Cowboy fora da lei. Há várias formas de definir Raul Seixas, baiano falecido no dia 21 de agosto de 1989, aos 44 anos, que se vivo fosse estaria com 69 anos. A verdade é que mesmo não tendo nascido há 10 mil anos atrás e ter partido há exatamente 25 anos, Raul deixou um legado e se mantém vivo na vida de quem nunca esqueceu sua arte. Para homenagear o “pai do rock nacional”, o artista Sérgio Leite, maior intérprete da obra de Raul no Pará, apresenta o show “Nuit – 25 Anos Sem Raul”, contando em linguagem cênica e musical a trajetória do ídolo. A apresentação acontece no próximo dia 23, no teatro Margarida Schivasappa, no Centur, às 20h.
Ao longo da carreira, foram mais de 20 discos lançados e mais de 200 músicas na boca do mundo. “Comecei a ter o primeiro contato com a obra dele aos 17 anos. Me encantei com as músicas, com o que ele escrevia, eu sentia e pensava igual. Tudo o que você faz na vida tem sempre uma música do Raul que fala daquela situação. Não é poesia por poesia. As composições dele falam do dia a dia, da rotina do homem”, destaca Sérgio Leite, que há 30 anos interpreta as canções do baiano. A primeira música que ele cantou de Raul foi “Sessão das 10”. “Lembro como se fosse hoje. Nunca esqueci”, completa.
O show, comandado por ele ao lado de Guibson Landim (guitarra), Davi Benitez (teclado), Fernando Costa (contrabaixo) e Ricardo Ramones (bateria), terá 16 músicas no repertório, escolhidas com dificuldade. “É estressante selecionar as músicas. A gente sempre quer botar tudo. Selecionamos os clássicos, as mais conhecidas. O público dos shows é bastante dividido e tem fãs e pessoas que estão indo pela primeira vez”, comenta Sérgio.
Em todo o Brasil, artistas, fãs e a comunidade artística em geral se mobilizam para homenagear Raul mantendo viva a sua obra. O evento na capital paraense tem o apoio da Sociedade Raulseixista de Belém (PA), Raul Rock Club (SP), Sylvio Passos (SP) e diversos outros fãs-clubes, covers e demais associações, que fazem o mapeamento nacional e mútua divulgação dos shows em homenagem ao ídolo, garantindo, assim, a repercussão nacional de todos os eventos.
“O Raul tem uma importância imensa na música brasileira. Ele não se achava um músico de MPB. Ele cantava todo gênero. E embora fosse conhecido como roqueiro, ele também cantava tango, bolero, baião. Seu trabalho era grandioso e a prova disso são os vários discos que gravou. Não vejo ninguém como Raul, que era muito peculiar na forma de compor e cantar. Como ele fazia, só ele mesmo”, pontua o cantor – e fã - paraense.

(Diário do Pará)

domingo, 10 de agosto de 2014

PAI

Saudades querido pai...! ja se passaram quase 10 anos, e a saudade ainda maltrata.
FELIZES AQUELES QUE AINDA TEM PAI.

O "PT" NOSSO DE CADA DIA


domingo, 3 de agosto de 2014

Dez pessoas são assassinadas a cada dia no Pará

Dez pessoas são assassinadas a cada dia no Pará (Foto: JR Avelar)


Domingo, 03/08/2014, 08:12:43 - Atualizado em 03/08/2014, 08:12:43

Se as mortes aconteciam mais em Belém, agora a violência se alastrou por todo o interior paraense (Foto: JR Avelar)
Dados do Mapa da Violência, divulgados recentemente, revelam que o Brasil ocupa a sétima pior posição entre cem países pesquisados e analisados, ficando atrás apenas de países como El Salvador, Guatemala, Colômbia e Venezuela, que apresentam as mais altas taxas de mortes violentas. O estudo apontou Belém como a terceira cidade mais violenta do Brasil, e que a taxa de homicídios no Pará é alarmante se compararmos com a década de 90, levando em consideração que as mortes são de jovens na faixa etária de 15 a 25 anos e 90% tendo como pano de fundo o tráfico de drogas.
A taxa base, segundo o Mapa da Violência na região Norte, chegou a 8,1%, sendo que a taxa nacional girou em torno de 7,9% de crescimento e, nesse contexto, o Pará apresenta taxas de crescimento em homicídios e que trazem grande preocupação para a população.
O estudo que é divulgado a cada dois anos mostra que depois de uma década de crescimento das taxas de homicídios no Pará, o estado continua na crista da onda. Ao compararmos os seis primeiros meses de 2013, em que ocorreram, segundo dados do Sindicato dos Policiais Civis do Pará, 1.911 homicídios e latrocínios, com os seis primeiros meses de 2014, quando houve 1.946 mortes violentas, concluímos o aumento da violência. Ressaltando que nesse levantamento apenas estão contabilizados os homicídios e latrocínios.
O Mapa da Violência 2013 divulgou que as mortes apenas por arma de fogo foram alarmantes em todo país. Em 2010 cerca de 36.792 pessoas foram assassinadas a tiros sendo que este número é superior aos dados coletados em 2009 que somaram 36.624 mortes por arma de fogo.
Entre os estados da federação que apresentaram as mais altas taxas de homicídios estão Alagoas com 55,3 por cada 100 mil habitantes, Espírito Santo com 39,4, Pará com 34,6, Bahia com 34,4 e Paraíba com 32,8 se verificando que estes Estados estão entre os cinco que mais sofreram com aumento da criminalidade.
As ocorrências de homicídios são preocupantes e o que antes era “privilégio” apenas da região metropolitana de Belém, agora se alastra por todo o interior paraense, com uma média de dez homicídios por dia de norte a sul de leste a oeste do Pará.
377 PESSOAS FORAM ASSASSINADAS EM JANEIRO
Nesse ano de 2014, o mês de janeiro foi considerado o mais violento até agora, com 377 mortes violentas, perdendo apenas para dezembro de 2013 que bateu o recorde de 386 mortes sendo 363 homicídios e 23 latrocínios, que enlutaram centenas de famílias. De todos os seis meses do ano, junho terminou como os outros meses, apresentando 304 mortes violentas. “Com muita gente fora da cidade os crimes diminuem aqui, mas acabam crescendo no interior”, revela um policial com mais de 20 anos de farda.
Dados do Sisp também revelam tirando, por exemplo, o mês de janeiro onde ocorreram 377 crimes sendo que desse total 316 tiveram abertura de inquéritos e 61 ficaram sem inquéritos não sendo revelado quantos criminosos foram presos pela Polícia Civil.
Um dos principais motivos para essa matança generalizada no Pará acaba sendo creditado ao tráfico de drogas, no que a polícia classifica como “dívida não paga” envolvendo viciados e traficantes, que se endividam com os “patrões” que mobiliza seu “exército de soldados” para eliminar os devedores.
Municípios paraenses antes considerados pacatos como Abaetetuba, Barcarena e Moju na região do Baixo Tocantins explodiram com taxas alarmantes de homicídios. Na Ilha do Marajó muitos municípios que passavam meses sem ocorrências de homicídios e latrocínios hoje frequentam as páginas policiais de jornais e programação policial nas emissoras de televisão.

ESTATÍSTICA
Criada em 2010 para investigar os crimes contra a vida a Divisão de Homicídios faz a sua parte. Apenas crimes múltiplos e complexos estão sob a tutela da especializada, que se desdobra em investigações que chegam a durar meses para conseguir desvendar os crimes a eles confiados à missão de elucidar.
A maioria dos homicídios, principalmente aqueles onde não se tem uma pista dos assassinos, acaba virando estatística nas Seccionais Urbanas e delegacias de bairro na Região Metropolitana de Belém e até mesmo no interior do Estado.
EM NÚMEROS
Dos 1.946 homicídios e latrocínios registrados nos seis primeiros meses no Estado do Pará a média continua em 10,8 mortes por dia, sendo que teve dia nesse ano que o Pará contabilizou 25 mortos em 24 horas sendo a maioria no interior do Estado.
NA GAVETA
Casos como do vereador de Curuçá na região do Salgado, Antonio Kzan executado com seis tiros na periferia de Belém no ano de 2010, “dormem” em alguma gaveta da Secretaria de Segurança Pública do Estado sem que haja a continuidade das investigações.
(Diário do Pará)

Índios acusam polícia de cobrar propina para liberar garimpo no Pará

João Fellet

Atualizado em  1 de agosto, 2014 - 15:31 (Brasília) 18:31 GMT
A Terra Indígena Kayapó convive com surtos esporádicos de garimpo há décadas
Índios kayapós acusam policiais civis e militares do Pará de cobrar propina para liberar o garimpo ilegal de ouro nos limites da Terra Indígena Kayapó, no município de Ourilândia do Norte, no sudeste paraense.
A denúncia foi feita na quarta-feira da semana passada (23 de julho) em uma reunião entre líderes kayapós e autoridades na sede da Fundação Nacional do Índio (Funai) em Tucumã, município vizinho a Ourilândia do Norte.

"A PM e a Civil vão toda sexta no rio Branco e no rio Fresco para receber um grama e meio (de ouro) por cada balsa", disse, na reunião, o cacique Niti Kayapó, da aldeia Kikretu.A região enfrenta um surto de garimpo que tem poluído rios e destruído vastas áreas de floresta em um dos últimos redutos de mata nativa no sudeste do Pará.
Segundo a Funai, os garimpeiros operam nos dois rios cerca de 90 balsas. Os equipamentos reviram o solo dos rios em busca do metal.
Levando em conta o preço atual do grama do ouro (R$ 93), a coleta renderia à polícia, segundo a denúncia, R$ 12.510 por semana, ou cerca de R$ 50 mil por mês.
O cacique não informou se o valor era dividido entre as polícias Civil e Militar ou se cada uma arrecadava esses valores individualmenteSegundo Niti, os agentes chegam até os garimpeiros em viaturas policiais por uma estrada vicinal. Outros índios confirmaram a denúncia no encontro.
Presente na reunião, o primeiro tenente da PM paraense Bruno Gama Pereira disse que a polícia abriria um inquérito para apurar a denúncia.
Pereira afirmou à BBC Brasil que, caso a investigação encontre indícios de que de fato houve pagamento de propina, os agentes serão julgados pela Justiça Militar.
Segundo ele, a corregedoria da PM se encarregaria da ação.
A Corregedoria da Polícia Civil do Pará diz que também apurará o caso. Responsável pelo órgão, a delegada Nima Lima afirmou à BBC Brasil que ainda não foi comunicada da denúncia, mas que procuraria a Funai para obter a ata da reunião e dar início à investigação.

Garimpo descontrolado

A Terra Indígena Kayapó convive com surtos esporádicos de garimpo há décadas. Segundo a Funai, porém, a atividade alcançou níveis sem precedentes nos últimos meses.
A coordenadora-geral de monitoramento territorial da Funai, Thaís Dias Gonçalves, diz que o território é a área indígena do país onde o garimpo está mais descontrolado.
O território – que ocupa cerca de 33 mil quilômetros quadrados, área equivalente à de Alagoas e do Distrito Federal somados – é quase inteiramente coberto por mata nativa, mas a floresta vem sendo destruída rapidamente pelo garimpo.
Segundo a Funai, há cerca de 5 mil garimpeiros na área – o equivalente a quase um terço da população indígena residente (16 mil).
A BBC Brasil acompanhou uma operação contra o garimpo na área na semana passada. De helicóptero ou avião, veem-se as enormes clareiras com lagos artificiais abertos pelas escavadeiras.
Algumas frentes de garimpo têm dezenas de quilômetros quadrados.
Agentes da Funai e o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) desceram em alguns pontos e deram prazo de dez dias para que os garimpeiros deixassem a área.
Os órgãos afirmam que, ao fim do prazo, voltarão ao local para destruir equipamentos e expulsar garimpeiros que tenham permanecido.
Reproduzido de materia publicada no blog do Jornalista Manuel Dutra